Improvisando Macro na Lumix ZS3

20 03 2011

Olá meu abandonados amores!!
Olha eu aparecendo depois de um tempo afastado… foi mal galera.
Hoje vou falar de Macro com as compactas. Muitas pessoas acham que só é possível fazer Macrofotografia se tivermos câmeras profissionais, lentes, flashes e outras cositas. Na verdade dá pra improvisar de boa umas macruchas com as câmeras compactas disponíveis no mercado. Para isso vou mostrar como fiz umas fotos com a Lumix ZS3 da patroa e uma lente adaptada no melhor estilo tabajara.
Já abordei esse assunto em Post anterior mas nesse mostro um pouco mais do resultado.

Essa é a Lumix ZS3.

O problema aqui é que esse modelo não diponibiliza um adaptador para filtros adicionais. Na antiga Sony H-5 da patroa havia um adaptador com rosca 58mm que permitia acoplar filtros e adaptar lentes com maior facilidade. Nessa hora surge então a necessidade de usar os recursos Tabajara pra contornar o problema.
A princípio a ZS3 tem recursos próprios para se fazer Macro. Ela tem a opção ótica e a opção digital para isso, mas ambas com certa limitação sobretudo para ampliar com “responsa”.

Aqui temos o exemplo do que falo: a primeira foto é com a Macro ótica e a segunda com a opção digital.

Claro que faltou uma iluminação mais cuidadosa mas foi só pra mostrar que a maioria das compactas já dispõe do recurso de Macro.
Mas como o objetivo aqui é complicar um pouco mais, vamos ver como podemos melhorar o resultado com o bom e velho uso da gambiarra.
O que fiz foi pegar uma lente velha 50mm que eu tinha guardada comigo e desmontei a danada para tirar um dos elementos óticos. Depois usei um pouco de espuma EVA, um velho tubo extensor e muita cola e fita isolante pra montar essa coisa aí:

O que faço com esse treco? Coloco ele ao redor da lente da câmera assim:

Feioso não é mesmo? Mas funciona.
Basta colocar o Zoom da lente na posição entre 5X e 12X e conseguimos fotos assim:





Podem não ser tão boas como as feitas em câmeras semi ou profissionais mas dá pra brincar legal.
Parte do sucesso do processo vem justamente pelo fato de que câmeras compactas em geral dispõe de sensor menor o que ajuda na hora da fotografia Macro. Por isso que até celulares conseguem fazer Macro. O meu Nokia 5530 por exemplo tem uma câmera das mais precárias mas dá pra improvisar umas brincadeiras como essas:

Aqui fica evidente a diferença que faz um sensor maior pois a imagem carece de maior detalhamento. Isso sem falar das lentes que no caso de um celular como o meu mais parece a cabeça de um alfinete de tão pequena.

Mas o que importa é que com um pouco de esforço e criatividade conseguimos improvisar umas fotos legais mesmo com equipamento mais modesto. Antes de achar que sua câmera não dá conta do recado, exija o máximo do equipamento, teste todas as possibilidades e seja criativo.
Abraço pra galera e até a próxima.





Aviso ao pessoal !!

21 02 2011

Oi pessoas. Só queria dizer que ando meio enrolado nessas últimas semanas mas prometo responder a todos em breve.
Já estou me programando para colocar o Blog em dia nesse fim de semana e também preparar matéria nova.
Desculpem pelo afastamento mas não vos abandonarei !!!





Camera GEX5

6 01 2011

Oi Galera!!
Os amigos tem me perguntado a respeito dessa câmera modelo GEX5 e o que eu pude fazer foi apenas uma análise superficial uma vez que não disponho de uma nas mãos pra testar.
Um dos problemas em relação a colocar as opiniões no Blog é o de acabar induzindo alguém a uma compra errada principalmente por falta e conhecimento da minha parte.
O que eu pude sugerir ao amigo Júlio eu transcrevo agora pra vocês do e-mail que eu mandei pra ele. Espero que ajude em algo e peço desculpas por não fornecer maiores informações sobre o produto mas nesse caso eu sou meio São Tomé mesmo… só com a câmera pra testar eu poderia opinar melhor.

Boa noite Julio.
Peço desculpa pela demora mas ando meio atarefado e longe do PC.
Quanto ao que você citou sobre sua câmera acho que o principal impedimento é a
falta de uma rosca pra adaptar um porta-filtro no corpo da lente.
Mas em teoria não seria problema pra conseguirmos alguns testes.

Vou sugerir algo que pode parecer meio óbvio e até bobo mas não custa tentarmos:
se tiver algum conhecido que possa te emprestar um filtro Close-Up de qualquer
medida (existem geralmente de 2x 3x 4x) ou mesmo comprar um dos mais baratos e
genéricos
(http://www.diafilme.com.br/loja/dept.asp?store=103187&template_id=6&partner_id=&dept_id=1692&nome=Lentes+Close+Up)…
basta segurar o filtro em frente a lente da câmera de preferência com o zoom em
posição de maior ampliação e ver o que você consegue. Apenas lembre que se for
possível, deixe o foco em manual e obtenha ele aproximando a câmera do objeto
até que ele apareça focado no visor.

Caso seja uma experiência promissora, o que eu tentaria era criar um tubo
adaptador doméstico mesmo, seja feito com algum pedaço de PVC ou mesmo mandando
tornear algum material que encaixasse bem justo na medida externa do corpo da
lente e que na outra ponta pudesse ser fixado os filtros ou lentes invertidas,
seja com fita mesmo (crepe ou similar) ou mandando tornear a ponta desse tubo
com uma rosca na medida de 58mm que é o padrão mais usado nas lentes.

Claro que aqui ficou uma opinião para o uso em Macrofotografia. Para o uso geral o que posso dizer é que as Supercompactas são câmeras “pau pra toda obra” e que cobrem uma boa parcela das necessidades da fotografia amadora. Mas para uso mais profissional, câmeras como essas padecem de recursos indispensáveis e que são encontrados em outros modelos como sapata para flash, lentes mais claras, formato RAW, velocidade de sincronismo entre outros.
Para uma opinião mais consistente a respeito desse modelo o melhor ainda é pesquisar os fóruns de usuários que na prática poderão esclarecer a maioria das dúvidas.

Abração pessoas!!





Feliz 2011

31 12 2010

A todos, muita paz, saúde, fé, fartura e felicidade nesse ano que já desponta… Feliz 2011 a todos !!!





Tamanho não é documento!

20 12 2010

Nesse mundo da Macrofotografia temos uma variedade enorme de modelos a nossa disposição e por consequência de vários tamanhos.
Queria mostrar que nem sempre eles são dos maiores. As vezes são umas coisinhas tão pequeninas que podem até passar despercebidas.
Achei por sorte dois carinhas que estavam tão de boa que me deixaram fazer uma comparação pra mostrar o verdadeiro tamanho deles.

Esse aí de cima é normalmente muito arisco e não deixa nem a gente se aproximar direito mas dessa vez tava muito tranquilo. Olhem ele comparado ao meu dedo indicador.
Já esse outro aqui apesar de comum também ficou na paz e me deixou apontar o dedo na fuça dele sem maiores problemas.

Bichinhos pequenos assim são difíceis de fotografar pois a profundidade de campo fica menor a medida que forçamos uma maior ampliação nos limites do equipamento. Focar se torna um problema pois qualquer tremidinha e perdemos a foto. Além disso temos sempre que tentar fotografar a lateral do bichinho pra termos a maior parte dele em foco, caso contrário ficaremos só com uma pequena porção dele detalhada como os olhos por exemplo.

É isso aí… era só pra mostrar mesmo que as vezes os danadinhos são realmente pequenos!





O furinho da tampa.

10 12 2010

Olá pessoas.
Quando mostrei tempos atrás um jeito de fazer Macro com a lente do kit, a 18-55mm, muitas pessoas ficaram sem entender direito o que era a tal da tampinha furada da lente.
Na verdade essa tampa com um furinho no meio nada mais é do que um substituto para o controle de abertura que perdemos ao inverter a lente do kit na câmera. Como essa lente é eletrônica, ao ser invertida na câmera ela perde o contato com a mesma e portanto ficamos sem condição de regular a abertura da lente.

Resolvi então mostrar de forma mais prática o que podemos fazer para conseguir o mesmo efeito mas sem a necessidade de muita elaboração.
A lente do Kit ao ser colocada invertida na câmera fica com essa boca aberta que é exatamente a parte de trás da lente.

Quando colocada assim ela nos permite uma capacidade de grande ampliação mas infelizmente sem a possibilidade de diminuirmos sua abertura.
Em Macrofotografia é importante termos esse controle pois sem ele teremos uma profundidade de campo muito pequena e o foco por consequência ficará restrito a uma área muitíssimo pequena. Como exemplo mostro como fica uma foto Macro de uma moeda com essa configuração e sem controlarmos a abertura.

Repararam como a área focada é extremamente curta? Apenas uma faixa muito estreita de foco.
Nessa hora entraria a minha tampinha com o furo no meio, exatamente para poder fechar a abertura da lente e forçar o aumento da profundidade de campo. Dessa maneira nos seria permitido aumentar a área de foco consideravelmente.
Mas tem alguma maneira de fazer isso sem ficar furando a tampa da lente? Tem sim. Um jeito bem simples é o uso de alguns pedaços de fita isolante colocados de maneira a deixar apenas uma pequena abertura no centro da parte traseira da lente:

Bonito não fica mas é prático e simples. É só termos o cuidado de deixar a abertura o mais centralizada possível.
Agora vejam a mesma moeda fotografada com essa técnica.

Viram como o foco aumentou? Por termos fechado a abertura com a fita, obtivemos uma maior profundidade de campo.
No entanto isso gera um pequeno inconveniente: no visor a imagem fica muito escura. Por isso é aconselhável achar temas para serem fotografados de preferência em áreas externas bem iluminadas e de dia.
E se quisermos um pouco mais ainda de foco… é possível?
Sim, basta apenas fecharmos mais ainda a abertura reajustando a fita isolante:

Para quem quiser maiores detalhes de como configurar a lente do kit para Macrofotografia, basta folhear meus posts passados que tenho tudo descrito passo a passo.
Abraço a todos!





Transpiração.

7 12 2010

Um fato muito comum para quem folheia uma galeria de fotos, sobretudo as de Macrofotografia é não perceber a trabalheira que dá conseguir aquela foto, aquele momento especial. Não é toda vez que se consegue tirar uma foto boa de primeira. Muitas vezes o cartão fica lotado de fotos desfocadas, subexpostas e desenquadradas e lá no meio disso tudo encontramos uma ou duas com potencial pra ficarem boas.

Querem um exemplo? Hoje tirei um tempo pra desenferrujar a câmera e fui atrás de uns bichinhos. O tempo tava fechando e começou a ventar muito. A bicharada foi se escondendo mas assim mesmo achei um ou outro pra correr atrás. Quando a coisa fica complicada eu costumo procurar umas formigas pois essas estão sempre por perto.
O problema é que ninguém lembra o quanto esse bicho é arisco e não fica parado um só instante. Como resultado é um tal de perder foto uma atrás da outra.
Deem uma olhada em algumas dessas fotos:

Na primeira eu errei a intensidade do Flash, na segunda o foco na cabeça ficou fora, na terceira eu cortei a bundinha da danada, na outra o flash e o foco ficaram errados e na última eu achei a possibilidade de aproveitar a foto.
Então é colocar a foto no Lightroom, ajustar o quadro, corrigir os tons, aumentar a nitidez colocar a borda e enfim publicar.
Depois de tudo isso é normal achar que a foto tenha saído da máquina toda certinha mas não foi. Não ficamos livres da trabalheira depois do clique.
Eis a foto arrumada:

Mas toda vez é esse lenga lenga?
Nem sempre… mas são menos comuns. Exemplo disso é que fui pra outra árvore atrás de umas formigas pretas e quando tava perseguindo uma na casca da árvore, ela parou por um instante e enquadrei ela do jeito que deu e tirei a foto. Nem achei que tivesse prestado mas quando eu revisei olha só o que saiu:

Essas são aquelas fotos que a gente faz na pressa e quando olha na câmera acaba soltando um “Nossa mas que CA…BULOSO